Trashédia

YOU WILL BE HAPPIER WITH LOWER STANDARDS

A Bíblia do Fashion Blogging | TOMA 5 – A LÁIF COM STÁILE

Blogger que era Blogger, a tempo da TOMA 5 já passou a Digital Influencer e está lindamente na vida. Estima-se que por esta altura já terá passado a sua ocupação profissional anterior para segundo plano, pois para operar toda uma rede de actividades diárias que lhe ocupam grande parte do tempo que tem disponível, é essencial que o tenha feito.
Ao conjunto dessas actividades diárias chama-se LIFESTYLE, e entende-se por LIFESTYLE um estilo de vida que consiste em experimentar experiências tão vastas como idas a eventos, encontros de profissionais da mesma área ou de áreas concomitantes, palestras, idas a programas de entretenimento de daytime dar conselhos ou dicas, programas culturais ou actividades físicas.
Na ordem de um a dois eventos por dia, todos os dias da semana, a figura da Digital Influencer tem como missão primordial a comunicação dessas experiências (desde experimentar uma massagem num SPA muito caro e exclusivo, a comer num restaurante muito saudável, experimentar um treino novo com um PT ou a dar um passeio, fazer uma viagem, conhecer um novo brunch ou até fazer check-in num hotel a poucos metros de casa) nas suas plataformas de social media e no seu blogue.
É uma vida muito cansativa, muito preenchida e completamente dedicada a esta espécie de jornalismo tendencioso que pesa cada vez mais na balança orçamental da publicidade de todo o tipo de empresas e marcas.
Tendo em linha de conta que hoje em dia “publicidade” é um termo que remete para algum arcaísmo ético e estético, é importante perceber o papel híbrido da figura do Digital Influencer nesta cadeia. Híbrido porquê? Porque tanto se é comunicador como crítico como veículo/agente publicitário, mas com outro nome, que é tipo endorser.
Na maioria dos casos, estes posts de LIFESTYLE são momentos pagos por quem facilita as experiências, esperando algum retorno comercial externo à publicidade dita tradicional; ao delegar num Digital Influencer a responsabilidade da comunicação pessoalizada da experiência proposta, a entidade que proporciona a experiência aguarda que os seguidores do endossado comprem uma experiência semelhante. As vantagens para a marca são claras e simples, muito mais vantajosas que a aquisição de espaços publicitários tradicionais, uma vez que o pagamento é feito em géneros, através da disponibilização da experiência, e as vantagens para o endossado são, também elas, óptimas. A negociação através de capital invisível/imaterial é uma das mais comuns, pelo menos na altura da TOMA 5. Mais adiante surgirão os momentos de LIFESTYLE com posts pagos. Mas ainda não é para hoje.
Assim ao nível da explicação rápida do que é que estou aqui a dizer, pronto, é mais ou menos isto.

Digital Influencer que é Digital Influencer partilha tudo isto com muito mais fotografias que texto, porque embora se partilhem experiências, basta utilizar expressões como é indescritível ou lindo ou brutal ou espectacular, relaxante, ou paraíso, que está feita a prosa.
O hashtag também é uma óptima ferramenta que dispensa a prosa e agrupa os posts sem necessidade de emprego de mais recursos. Para a Digital Influencer, quanto mais pessoal for o hashtag, melhor, porque assim os fãs que o utilizarem, vão dar-lhe retorno “real”. Outra coisa que também resulta muito é o tag e o geotag.

O texto ideal para acompanhar as fotos que vos trago hoje deveria ser construído de uma forma pueril e com o realismo mágico como pano de fundo literário obrigatório para a narrativa. Deveria evocar sem hesitação – e até exaltar – deslumbramento e gratidão pela possibilidade da experiência. O texto que acompanha as experiências das Digital Influencers é sempre um texto composto por um conjunto de quatro ou cinco orações simples. Não costuma trazer informação sobre outfits, nem nada muito detalhado sobre o que se comeu, porque, regra geral, o Digital Influencer não consome alimentos, a não ser que 98% sejam de origem vegetal, não processados, bio, orgânicos, certificados e que não tenham açúcar nem hidratos. Mas basta dizer que a comida era deliciosa, por exemplo.

A ARTE IMPLÍCITA NAS FOTOS DA EXPERIÊNCIA DE LIFESTYLE

MASTER THE ART OF ADVERTISING e o que é isto? É simples. É só utilizarem tudo aquilo que aprenderam nas tomas anteriores e venderem um produto. Aqui, com aquela cara que eu acho que me sai muito bem e resulta, vendo uma coisa que é uma meia de leite, mas que eu vou dizer que é um Raw Cocoa Mokka Chai Raw Soy and Almond Milk and Coconut Cream Latte with extra UGG Boot Topping, que me soube pela vida naquele dia de Inverno gelado em que não me apetecia mesmo sair da cama. A cara de prazer e de não tenho nada a esconder é essencial. Atenção também à posição dos dedos, que, embora segurem a chávena com as duas mãos e eu tenha os cotovelos apoiados na mesa, não podia gritar mais honestidade, descontracção e comunhão com o desfrutar do momento.
2C7A8381

MASTER THE ART OF BEING CAUGHT ON CAMERA esta é uma arte que, por esta altura, também já devem dominar lindamente, e consiste tão simplesmente em deixarem-se estar em comunhão com o vosso Raw Cocoa Mokka Chai Raw Soy and Almond Milk and Coconut Cream Latte with extra UGG Boot Topping enquanto o fotógrafo vos apanha desprevenidx a admirar a paisagem, com aquela expressão de quem aprecia a dádiva dos dias, das horas, dos minutos… de cada momento em que a vida nos brinda com a luz deste sol que rompe o frio e nos aquece mesmo quando o gelo parece dominar sem pudor a brisa que passeia por entre as ruas da cidade. Se conseguirem introduzir, por exemplo, o vendedor de castanhas e o fumo e notas de cheiros típicos do que vos envolve, tanto melhor. E é de carregar nas vírgulas. Género e lá fora, na manhã fria, atravessada por gente que cruza, de passo apressado, o Rossio, um vendedor de castanhas mal agasalhado agita com as suas mãos grossas e negras, o fogareiro que liberta a fumaça que envolve num cheiro adocicado tudo quanto vejo da janela. E terminem com uma frase-bomba, que traduza mesmo aquilo que vocês são ali naquele espaço de comunhão: No Bastardo, sinto-me filha.    2C7A8450 2C7A8470
GREAT BOWLS OF FUN terminem o vosso post com uma foto divertida, em que consigam exteriorizar a vossa versatilidade comercial, que é como quem diz uma certa extensão na vossa panóplia de sentimentos e predisposições. Acima de tudo, mostrem aquilo de que a vossa criatividade é capaz, e incorporem, preferencialmente, um objecto do local onde estão, para lhe darem uma utilização não-convencional. Tenham a certeza de que ficam bem e atirem tudo para a internet.2C7A8379

 

O post de hoje não poderia existir sem a mestria do meu Marido – óbvio – mas também não poderia existir sem a simpatia e a generosidade do Alexandre e a simpatia da Liliana, do Restaurante Bastardo, que fica dentro do International Design Hotel ali da Rua da Betesga, entre o Rossio e a Praça da Figueira. Isto, claro, sem nunca esquecer a LUVIN’, porque eu agora também faço parte de uma agência, e sim, podem crer que sou Digital Influenza encartada.

7

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.