Trashédia

YOU WILL BE HAPPIER WITH LOWER STANDARDS

CONTOURING ORGANICALLY

Se na semana passada vos falei de como o contouring é uma tendência que descende directamente de uma técnica de maquilhagem teatral, hoje, depois de contextualizadas e contextualizados no tema, venho falar-vos das notícias mais frescas sobre esta febre.

Muito recentemente a super guru Bobby Brown afirmou que não se revia nem identificava com esta tendência do contour. Foi mais longe e defendeu que era super importante pensar nos nossos traços naturais e aprender a embelezá-los, em vez de recorrer a uma maquilhagem excessiva, oclusiva, que tenta recriar feições e atributos inexistentes, que perseguem um ideal de beleza alheio, demasiado falsos para sequer parecerem aceitáveis.

É com esta ideia expressa por Bobbi Brown que começa a minha conversa com o Patrick.
O Patrick é um dos propritários da loja de beleza e cosmética mais interessante de Lisboa, a Skinlife.
Entrei em contacto com o Patrick assim que soube que iria dedicar Fevereiro ao contouring, porque entre outras coisas, o meu interlocutor é perito em beleza.

Encontrámo-nos na semana passada para um pingue-pongue de ideias sobre contouring, pele, bonne mine e todas essas coisas que parecem colidir com a ideia inicial do nosso encontro. E houve show and tell, porque a aprendizagem empírica é a mais eficaz.

O meu objectivo era que o Patrick me mostrasse produtos orgânicos e potencialmente mais naturais do que os que procuramos normalmente. Produtos que não seguem a mesma linha dos daquelas marcas magníficas e mainstream que nos fazem sonhar com peles absolutamente uniformes, sem poros, e com sobrancelhas sem um único pêlo fora do lugar. Ao oferecerem uma série de imagens de perfeição, essas acabam por ser as marcas que nos fazem querer, de alguma forma, ser aquilo que não somos e que nos distanciam da ideia de embelezamento do que a Natureza nos deu. Porque ao procurar uma tendência ou um look de maquilhagem, ao procurarmos uma inspiração, levante a mão quem não desejou as maçãs do rosto impecável da Gisele, os lábios da Liv Tyler ou da Monica Belucci

? Quando olhamos para uma paleta da estação e percebemos que talvez os tons daquela sombra não sejam os mais adequados à cor dos nossos olhos, ou a cor do batom possa ser um bocadinho espampanante, partimos para aquele momento de leve frustração que faz com que a imagem da Mulher praticada em campanhas publicitárias seja uma fonte de frustração. Quando no fundo, tudo aquilo que deveríamos querer era aprender a identificar aquilo que temos de melhor e depois aprender como é que isso se potencia.

Simples.

Sem necessidade de tratamento de pele ao mais puro estilo Photoshop.

Por isso, muito simplesmente, queria que o Patrick me mostrasse produtos capazes de oferecer uma alternativa leve, de aparência suave e delicada à pele de cada uma, ou um, de nós. Queria muito encontrar produtos versáteis, capazes de fazer esse enhancing das natural features.

Começámos, depois da nossa breve conversa sobre aquilo que expus nos parágrafos anteriores, por confirmar a minha teoria de que o contouring é algo que, mais ponto menos cifra, praticamos todos os dias ao aplicarmos um simples blush nas maçãs do nosso rosto. Ao aplicarmos um blush nos ossos malares do nosso rosto (eu sei que cheekbone é mais sexy e flirty), estamos a criar a predisposição para o jogo essencial da maquilhagem: o contraste entre luz e sombra. Que também é o princípio do contouring tradicional, com maquilhagem cremosa e de grande cobertura. Ora bem, jogos de luz e sombra. Ao longo da História da Pintura genericamente administrada no percurso escolar de todos nós, também aprendemos que tudo se resume aos jogos de luz e sombra, pelo que, de uma forma simples e intrínseca, temos o primeiro mandamento cá bem enraízado.

O segredo de uma maquilhagem que rejeita o cânone pesado do contouring como o temos vindo a apreender via Kardashian e define as nossas melhores qualidades é o que parte de uma pele bem limpa e hidratada. A nossa pele é a base de uma boa maquilhagem
Se quiserem podemos dedicar Março a essa ideia da pele como base, focando-nos na limpeza e hidratação da dita cuja.
Depois é continuar por aí fora e pensar no jogo da luz e da sombra.
Muito simplesmente: iluminamos tudo aquilo que por natureza é mais escuro, as zonas mais escuras como as olheiras, a parte superior da pálpebra entre a sobrancelha e a cavidade ocular, o canto interior do olho quase a chegar ao nariz, as bochechas e eventualmente a zona entre o nariz e o lábio superior e escurecem-se apenas as zonas do contorno do rosto começando no sulco da bochecha perto do nariz e subindo até chegar ao implante capilar.

Luz e sombra na cara.

Por acaso esta imagem da Doutzen Kroes é um óptimo exemplo de luz e sombra.doutzen

Com tudo isto em mente, sim, vamos conhecer os produtos ideais para o embelezamento das nossas feições!

Começámos por uma marca norte-americana, totalmente orgânica, chamada RMS Beauty, que está disponível na Skinlife desde há cerca de um ano.
O Patrick trouxe-me três produtos deliciosos, nos boiões mais fantásticos do mundo, em vidro fosco com tampinhas de enroscar em metal branco. Living Luminizer, Buriti Bronzer e Un-Powder.

Living Luminizer é um best seller onde quer que vá. Este iluminador é o melhor em que já toquei, tipo, ever. Tem apenas um tom, não faz parte de uma paleta cheia de primos e primas três tons acima ou quatro abaixo, pelo que se adapta a todos os tons e tipos de pele. Obtido a partir da mistura de ingredientes tão poderosos como o óleo de coco ou a cera de abelha, oferece à pele uma forma natural, leve e suave de ganhar o brilho de que precisa, na medida certa. Tem a melhor textura, cremosa sem ser pegajosa, e é de aplicação facílima.

Aliás, é de ressalvar que a RMS Beauty procura, através dos seus produtos de composição orgânica, ressuscitar a organicidade do acto de aplicar maquilhagem, ao dispensar completamente o uso de pincéis. Todos os produtos são concebidos para ser aplicados com as nossas mãos, com os nossos dedos, à nossa medida. E isto é interessantíssimo, porque para principiantes ou gente muito experiente no acto de aplicar maquilhagem, ter a noção física do que é um produto e de como o podemos aplicar e fazer fundir na nossa pele é essencial para dosear aquilo de que mais viremos a gostar. Lembram-se do slogan das Páginas Amarelas? RMS Beauty é super vá pelos seus dedos.

Passamos então ao Buriti Bronzer, outro best seller assumido. O nome é o da fruta amazónica de onde vai retirar grande parte das suas propriedades, o Buriti. O óleo do Buriti contém a maior concentração natural de Vitamina A e beta-caroteno que conhecemos, pelo que ao longo da explicação não pude eviatr estar muito entusiasmada perante um produto bronzeador que retira da natureza os ingredientes necessários à criação e manutenção desse tom sun-kissed verdadeiramente natural, ainda por cima enriquecido com propriedades de protecção solar e hidratação intrínsecas aos ingredientes naturais de que é feito. E isto é genial. É maravilhoso conhecer um produto que recria aquilo que procuramos a partir de ingredientes cuja utilização remonta à ancestralidade das tribos amazónicas e dos conhecimentos passados de geração em geração. E é seguríssimo utilizar este produto em todos os tipos de pele, pois o óleo de Buriti, ao conter vitamina A, C e E, é cicatrizante e apaziguador da pele, ajuda a estimular a produção de colagénio e ainda protege dos raios solares. Um must-have que decidi que tenho de ter!
Por último, no lote de produtos que o Patrick me trouxe, vinha um pó translúcido que é um sonho, género one size fits all: adequado a todos os tons de pele, extra fino, controla a oleosidade da pele enquanto modela a aparência dos poros e oferece uma ideia de textura sedosa. Un-Powder. Apontem, façam print-screen, o que quiserem. Mas não se esqueçam!
WOW!!!

Mas… Eu sou assim um bocadinho dependente de blush, de uma corzinha nas bochechas, porque ao ser tão branquinha gosto sempre de um toque de “saúde”, e perguntei ao Patrick se não seria possível mostrar-me um… E ele interrompeu-me, levantou-se rapidamente e trouxe-me mais uma caixinha deliciosa chamada Lip2Cheek no tom Beloved.
Enquanto se dirigia ao expositor, justifiquei a minha pergunta com o facto de ser assim espanhola e de, mesmo quando não uso maquilhagem nenhuma, usar sempre um blush. E se me esquecer do blush, tenho sempre um batom encarnado no bolso, na mala ou na mochila, para esfregar no dedo e aplicar nas maçãs do rosto.
Ele ria-se.

Lip2Cheek Beloved foi amor à primeira vista: um tom de encarnado rico e aberto, que oferece às maçãs do rosto e aos lábios um tom rosado natural, apetecível, jovem e vibrante. Desculpem a adjectivação excitada, mas é verdade. Este produto multifunções é incrível e altamente desejável em qualquer estojo de maquilhagem!

E em quatro produtos, o contouring mais orgânico e natural, no fundo a base daquilo que é a minha maquilhagem de sonho: leve, breve, suave. Uma ideia simples que convoca um regresso às origens, à pintura facial e corporal, de mãos na massa. Intuitiva. Porque é assim que a maquilhagem deve ser: harmoniosa para com a pele e as feições de cada uma ou um de nós.

OOOOPS!

Como o post vai longo, porque de facto os materiais didácticos são muito divertidos e amplamente interessantes, deixo para amanhã ou depois a outra abordagem ao contouring que o Patrick me apresentou, para poder partilhar convosco.

1

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.