Diva Divina

Não estava uma tarde de sol. Estava uma ventania desgraçada num daqueles dias de céu branco, que são húmidos e em que o frio se entranha nos ossos. O vento gelado entrava-me pelo casaco e por todas as camadas de roupa que trazia vestidas. Não levava gorro nem luvas. Tinha a cabeça gelada, como quando dói o couro cabeludo, sabem? E a camada espessa de batom do cieiro que tinha posto parecia ter secado ao fim de três minutos de rua. Mas como adoro andar

Continuar a ler…