Trashédia

YOU WILL BE HAPPIER WITH LOWER STANDARDS

#OOTD 10 – Vou Pr’á NÁITE

É assim, este outfit of the day é tipo, O MUNDO IDEAL.
Sim, como na música do Aladdin, mas na versão brasileira.

Já me aconteceu, devido à minha profissão, receber indicações para castings “com roupa de sair à noite”.
Um conceito verdadeiramente abstracto para mim.
Como saberão, porque é do domínio público, trabalhei à noite vários anos, com roupa de sair durante o dia e durante a noite.
Porque em bom rigor, quando me visto para sair de casa, acho sempre que estou um espanto e que posso sair à noite, ao dia, e o que mais for.
Sinto-me sempre preparada para todo o tipo de ocasiões, e se se der o caso do dia entrar pela noite dentro, nunca me sinto desarranjada.
Um batom vermelho SEMPRE dentro da minha mala ou de algum bolso de algum casaco, também ajuda em qualquer situação. Sim, porque eu saio sempre de casa com um casaco, não se vá dar o caso de ficar frio, e o pior da vida é estar com frio. E com fome, também!…

Posto isto, devo dizer-vos que em todos os castings aos quais fui e deveria ter levado roupa de sair à noite, nunca fiquei.
Porque, claramente, os meus códigos de sair à noite nunca corresponderam à expectativa do Cliente. Perdi muitos trabalhos por não saber o elementar: sair à noite é tudo em justos, tudo em decotes, tudo em ondas de Babyliss ou esticados de prancha, tudo em maquilhagens extremas e unhas de gel com manicura francesa. E tudo em saltos. Saltos, saltos, saltos. Mas eu não frequentava sítios onde as pessoas iam assim vestidas de sair à noite, e não conseguia entender este cânone. (Ainda hoje não consigo!…)
Perdi muitos trabalhos, é verdade.
Muitos mas mesmo muitos.
Tudo por causa de um problema de expressão, mas nada que tenha a ver com a música dos Clã.

Durante o tempo em que trabalhei à noite, consigo contar pelos dedos das mãos (das duas, porque ainda assim foram três anos!…) a quantidade de vezes que fui trabalhar de salto alto.
Para não mencionar a evidente dor de pés e pernas a que uma pessoa se habilita ao decidir passar oito horas de trabalho de pé, de salto alto, gostava só de deixar claro que quando uma pessoa trabalha à noite deve utilizar calçado que lhe permita estar elegante e decente, aquecer os pés, e acima de tudo, responder facilmente a todo o tipo de situações que se lhe cruzem pelo caminho. Todas. Menos dançar ou beber copos, porque quando a pessoa trabalha à noite, a pessoa não está a passear, nem vai dançar, nem beber copos. Pelo menos no meu posto. E só lhe pagam para dançar se for go-go. Estar numa porta é um trabalho sério e de grande responsabilidade, o que faz dele um dos trabalhos mais maravilhosos do mundo mundial. E eu nunca consegui desempenhar essa função de saltos altos. Fica aqui um segredo: sempre me senti menos Deusa.

Quando vi este vestido do Luís Carvalho, pensei imediatamente em todas as vezes que quis um vestido para a noite, quer fosse para trabalhar e/ou sair. Quando o vesti, pensei que melhor do que para a noite, este vestido é um vestido para a vida.
Encerra em si tantos detalhes gulosos que me custa muito que este vestido não esteja ali pendurado no meu roupeiro (sim, a Mana é pelintra e a Mana não possui um closer como o da Jô Caneças) para o poder usar quando quiser.
É preto de vinil brilhante, é largo, tem cavas, tem decote em bico (que nem é uma coisa que aprecie muito, mas que amo neste vestido trapézio assim meio sixties super “amigas pueris”), não é demasiado curto, é aquele acima do joelho mega respeitável. Tem flores recortadas em relevo no próprio vestido (a laser?), tipo malmequeres a fazer lembrar quando eu queria andar toda aos malmequeres, quando tinha uns sete anos e me vestia completamente de amarelo… (Suspira!…) É GENIAL. Mesmo. GENIAL.
Trouxe-o, obviamente, e pensei assim: ai, vou já pô-lo assim com ténis super grunge. E depois pensei que claro que não, porque isso fazia eu sempre.

Sem sequer hesitar, calcei as minhas sandálias das ocasiões especiais todas, que incluem todo o tipo de celebrações, sempre, e mais tudo o que houver para ir em modo composto.
Já sei que me vão dizer que sou #ryca e essas coisas todas, mas vou explicar, para poupar esses pensamentos: eu prefiro ter um par, de bom, do que mil, de lixo. Sempre fui assim. Fui educada assim. A minha Mãe é assim. A minha Tia é assim. A minha Avó era assim. E escrevo sobre isto muitíssimas vezes, porque é importante perceber que ter um, mas bom, tem um impacto maravilhoso nas nossas vidas, no meio ambiente e na economia doméstica. 1.) É sinónimo de poupança, porque ao ser um investimento maduro e ponderado, é uma compra duradoura e intemporal na minha (na vossa) noção de bom gosto, e isso é incrível; 2.) é uma forma de poupar o ambiente e reduzir a nossa pegada, porque ao investir num par de sapatos bom, estamos a não comprar sapatos maus, e a não contribuir para a multiplicação de objectos que não vamos querer no Futuro; 3.) ajuda na saúde dos pés, porque sabemos perfeitamente que o salto alto não faz lá muito bem à coluna, mas também sabemos que, quanto pior for a estrutura do sapato, mais mal fazemos à nossa coluna, quanto mais sintético for o material de que é feito, pior respiram os nossos pés… E por aí adiante.
Mais se informa que esta belíssima sandália de piton é Tom Ford e foi comprada no já extinto outlet da Fashion Clinic, a um preço semelhante ao de um delírio de uma qualquer #shoelover de bolso, naqueles dias do fim do mês em que compra três pares de sapatos da Zara, só porque pode.

Estava pronto o #ootd número dez, com esta sandália.
Eu não sabia que estava a fazer um mood de sair à noite até não saber o que fazer ali em frente ao meu Marido e à sua câmara, e comecei a fazer de atrasada mental a dançar like white girls at parties do, de braços no ar, a curtsir bué.
E não, não me esqueci da mala, porque eu quando saio à noite, nunca levo mala.
Também não levo saltos, porque de saltos não consigo dançar, mas pronto, fica o MUNDO IDEAL.

Jo Blog Shoot II -6Banda Sonora interna desta foto: Sandro G, Galinha.Jo Blog Shoot II -7Banda Sonora interna desta foto Copacabana, do Barry Manliow.

As fotografias maravilhosas são do meu Marido Incrível @carlospintophoto | Cabelo e maquilhagem de mim para mim, que é assim super eficaz e fico a sentir-me eu mesma, não é?
Vestido Luís Carvalho | Sandálias Tom Ford

13

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.