Trashédia

YOU WILL BE HAPPIER WITH LOWER STANDARDS

#OOTD 11 |NO SLEEP ‘TILL JULY

Jo Blog Shoot II -12Jo Blog Shoot II -13
Chegou a altura do ano que mais adoro e odeio: a Primavera!
É A profusão.
E nada como o 21º de Março para servir de canículas ao turbilhão que começa agora e se estende até Julho: é o dia em que começa a Primavera, é o Dia Mundial da Poesia e o Dia Mundial da Árvore. Três em um é muita fruta e deixa adivinhar tudo o resto… Não?!

Para o Universo esta é a altura do ano em que toda a gente quer fazer tudo!
Esta é a altura do ano em que não há mãos a medir e mesmo que um só fosse muitas, não chegava. Nem a quase centena de heterónimos do Pessoa chegava para fazer frente a tudo o que há para fazer entre Março e Julho. Tanto sítio para ir e um só corpo!… Tanto sítio para ir e tão poucas toilletes!… Mas porquê de Março a Julho? Eu acho que é porque depois em Agosto é Verão e ninguém faz nada, nem sequer vale a pena tentar, em Setembro custa a começar, só lá para a segunda semana é que a coisa arranca assim aos soluços género carro que não pega mas que a gente empurrou ribanceira abaixo e que lá decide desengasgar e engrena a fundo. Depois até ao fim de Outubro é a loucura total, depois Novembro acalma um bocadinho para depois na última semana começar outra vez tudo, com os jantares de Natal e os balanços do ano e as listas do ano e voltamos à loucura, é o Natal, que pega com o Ano Novo, e em bom rigor… Estes dois mesinhos quase três de hibernação, afinal fazem falta ao ser humano!…

Posto isto, e porque nesta época de ocupações volumosas é preciso uma pessoa estar preparada, hoje o #ootd é assim mesmo: simples, prático e eficaz. Porque também há que suprir as necessidades do quotidiano tangível e não apenas os delírios doidos da vida ficcional em que tudo é Moda e cores e saltos e moods.

Penso em coisas simples quando penso em vestir-me para épocas conturbadas e muito preenchidas: penso em sapatos cómodos , em bom estado, capazes de me levar às sete colinas da cidade, a pé ou de transportes, carregada com tudo às costas ou mais levezinha, penso em roupa fluída e eficaz, que me faça muito feliz, que me ajude no Março Marçagão, manhãs de Inverno, tardes de Verão, e numa mala gira que seja simultaneamente um depósito de coisas que me vão fazendo falta em espaços temporais variados. Acima de tudo quero umas calças que me deixem as pernas em paz. Que quando à uma da tarde estão mil graus e abre o sol e dá gosto estar ali ao sol e sentir o corpo dilatar ao fim de meses comprimido pelo frio, não me esmaguem as pernas que com tanto gosto deixei inchar ao sol, porque são apertadas. Não. Quero umas calças que me deixem andar em passo estugado colinas acima e abaixo, escadas acima e abaixo. Quero umas calças que me deixem praticar aquele desporto ilusório no mobiliário urbano. Quero imensamente umas calças que me deixem estar no ensaio, em paz. Depois quero sempre uma parte de cima folgadinha e gira, numa cor simpática, que possa ir à máquina sem ter de me preocupar se está suja com riscos de caneta ou ranhoca da minha Filha. Quero que essa parte de cima tenha um ar composto, porque uma pessoa nunca sabe. E quero que essa parte de cima seja versátil, quero que seja capaz de ser combinada com outras partes de baixo assim super facilmente.
Nestas alturas de maior tudo, a minha mala é um depósito. Tem restos de bolachas do primeiro dia de ensaios atá ao final da carreira de espectáculos. E uma maçã velha, canetas, um batom, ganchos, a agenda (que nunca abro para apontar nada… :P), um carregador de telemóvel, comprimidos para a dor de cabeça, moedas, brinquedos, chaves, envelopes, papéis… Não muda para o dia da estreia, não. Nunca dá tempo. Eventualmente carrega até mais coisas até ao Teatro, precisamente porque é dia de estreia.
É provável estar assim vestida até Junho, salvo raras excepções. Mais casaco, menos casaco, é isto.

E é possível que, quando me apetecer extravasar (acho que nunca usei “extravasar” tipo… nunca!…), dê uns murros na mala, especialmente se tiver este formato de saco de murrinhos rápidos.

As fotografias são do meu amado e excelso Marido @carlospintophoto | Cabelo e Makeup meus do que vem sendo a vida quotidiana
Polo Lacoste L!ve | Calças Miguel Vieira | Carteira Lacoste L!ve | Ténis Nike FlyKnit Racer | Laço de riscas no cabelo American Apparel

PS – eu sei que estas calças são para usar com pelo menos 1,85m e uns saltos enormes, como a Milena Cardoso, super bomba. Mas olhem… Faz-se o que se pode!…
6

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.