Trashédia

YOU WILL BE HAPPIER WITH LOWER STANDARDS

OOTD #15 | CINDERELLA

Jo Down South -28Em Março tive uma coisa para apresentar e morri mil vezes porque cada vez que tenho qualquer coisa para destas para fazer tenho de pensar no que vestir e isso é muito complicado.
Porquê?
Porque aquela coisa das galas informais é um dos conceitos mais absurdos de sempre, porque se é gala não é informal e se é informal não é gala. É tipo queimar-se em gelo seco.

Com a agravante de que, para estas galas informais, qualquer coisa que uma pessoa vista, porque se a pessoa está a apresentar, está exposta e vai um bocadinho melhor, está sempre overdressed. E também costuma correr-se muito o risco de uma pessoa vestir coisas com as quais não se sente bem e isso ainda é pior.

Jo Down South -33
Ora bem, pssuo um número limitadíssimo de roupa de gala precisamente porque levo sempre as mesmas coisas. Por levar sempre as mesmas coisas é que às vezes me apetece que seja diferente.
Comecei à pocura do que vestir na Internet, essa fonte inesgotável de prazer, e fui dar com este fato da Zadig et Voltaire que já tinha visto, desejado imenso e guardado num canto iluminado do cérebro.
Entrei em contacto com a Zadig aqui em Lisboa, que me informou da existência deste fato, apenas em preto. O cor de rosa foi uma excepção de passerelle e pouco mais. Na eventualidade de oui, teria de ser pedido a Paris.
Pronto, eu e a roupa preta temos assim uma não-relação, que é como quem diz já me cansei imenso de roupa preta, que ainda uso, naturalmente, mas que não me dá frisson. Ainda por cima esta acção decorre em Março de 2016, o despertar da Primavera, aquela altura do ano em que uma pessoa quando se deixa tocar por uns raios de Sol começa a reconquistar esperanças – sabem? – e começa a pensar que dentro em breve vai tudo ser melhor.
Sim por não, passei na Zadig da Avenida da Liberdade para experimentar o fato, não fosse ficar eu enchouriçada e não valer a pena o esforço de sequer pensar no preto. Eu, Joana, aqui me confesso: as calças da Zadig são todas pequeninas e nunca me passam do cimo gordo da perna. Podia ser exactamente o mesmo caso, este. Mas não. Entrei no fato. Serviu. Assim entre o larguinho e o justinho, mesmo naquela medida confortável que oferece uma sensação agradável no provador que ultrapassa o ficar bem ao espelho. Esse género de coisas, sabem? Perguntei então pelo cor de rosa. O cor de rosa teria de vir de Paris, do showroom.
OK. Perguntava-se e esperávamos. Eu e o meu cimo da perna gordo que cabia dentro do fato. Senão, ia com o preto, que também iria muito bem, mais discreta, mais contida. No mesmo dia, uma resposta super afirmativa: o fato cor de rosa viria de Paris até mim.
Fui à loja buscá-lo género Cinderella tudo em um.
Vesti-o e senti-me incrível.
Tudo nas medidas certas.
Tudo em cor de rosa, tudo suave ao toque, tudo perfeito, tudo ideal para a tal gala informal que aconteceria daí a dias.

Usei o fato.
E amei-o.
Amei cada segundo enfiada no fato.
E comecei a pensar como poderia ficar com o fato.
A que espécie de ginástica teria de submeter o meu capital para poder ficar com ele.
Também se poderia dar o caso de, mesmo com toda a ginástica, conseguir jamais ficar com o fato, devolvê-lo e esquecer-me dele daí a dois dias.
Porque a cena boa de brincar às Cinderelas, muitas das vezes, é essa de nos vestirmos a rigor por uns instantes e de não termos de exercer qualquer tipo de reponsabilidade sobre as peças nunca mais. Ambos os lados apresentam vantagens.
Perguntei.
Não estava para venda.
Já se esperava, não era?
Jo Down South -34

Um mês volvido sobre a gala primeira, fui apresentar mais uma cerimónia informal (tendência portuguesa, pelos vistos) ao lado da magnífica Cláudia Jardim, e levei o mesmo fato.
Uma criatura publicou algures nas redes que estava a assistir e que eu estava a repetir outfit.
Com muito gosto!
Soubesse essa criatura e as demais que o que me dá mais vontade é de repetir outfits que me fazem sentir mesmo inacreditável. 

Este fato Zadig et Voltaire é genial e apetecível em todos os apectos.
Este fato é tudo menos esquecível.

 

Fotografias inacreditáveis e extra-maravilhosas do meu Marido inacreditável e extra-maravilhoso Carlos Pinto @carlospintophoto

Fato em seda Cor de Rosa  ZADIG ET VOLTAIRE | Anel Oui DIOR JEWELLERY | Batom Rouge Pur Couture Yves Saint Laurent na Perfumes & Companhia  | Máscara Cils D’Enfer Guerlain na Perfumes & Companhia

7

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.