Trashédia

YOU WILL BE HAPPIER WITH LOWER STANDARDS

Refugo da Humanidade

Para que a reality TV seja verdadeiramente interessante e viciante, há um nível mínimo de decadência que tem de ser mantido para que o espectador não perca a vontade de consumir o objecto “real”.
Em 2015 diria que quase toda a população ocidental já esteve exposta a pelo menos um momento de reality tv e que por mais intelectual que seja, já se deixou levar pela magia da contemplação da vida alheia, quer seja na floresta, na ilha, na neve, no gelo ou num estúdio.
Porque já não sou da geração televisão, o meu registo de momentos televisivos nacionais dos últimos quinze anos é quase inteiramente composto por excertos de reality shows: tenho na memória a viagem de carro da Gisela Serrano e da Sandra, concorrentes do Masterplan, o Zé Maria, o Marco e a Marta da primeira edição do Big Brother e mais recentemente Cátia Palhinha e Fanny (Rodrigues), da segunda edição do Secret Story. Como acontecimento para a geração pós-televisão, ver um reality show com amigos tornou-se uma espécie de regresso ao culto em torno do aparelho em si, daí uma espécie de divertimento vintage, garantido e transversal, capaz de criar a nossa ideia de memória colectiva, naturalmente marcada por estes momentos de franca deshumanização do entretenimento tradicional. A parte mais interessante dos reality shows é precisamente a exploração de uma ideia qualquer de inocência dos protagonistas, que nos é depois entregue como ignorância e reflexo do que é o “país real”. Não concordo nem discordo, porque reconheço muitas realidades ao país.
Foi um reality slap que me trouxe aqui hoje: há dias estava a praticar esse desporto universal, o zapping, quando de repente vi que no Discovery Channel havia uma nova série de mineiros, desta feita no mar de Bering, no Alasca, EUA. Um plano muito bonito e longo para o que é a edição televisiva contemporânea, deu-me a ideia das árvores do Kiarostami na neve. Só que sem árvores. E fiquei a ver. Nesse episódio de “Bering Sea Gold”, dois mineiros jovens relatavam para a câmara a quantidade de horas que tinham passado sem dormir nos últimos dias, empenhados que estavam em rentabilizar o investimento astronómico da expedição em questão. Para dragar as pepitas ou flocos de ouro do fundo do mar, uma casinhota assente no gelo protege um buraco por onde o mergulhador desce e opera uma espécie de aspirador gigante que suga tudo e mais alguma coisa, incluindo ouro. Nos episódios que tenho visto as equipas de trabalho são constituídas por mais do que duas pessoas, daí ter ficado curiosa com estes dois, sozinhos nessa tal casinhota no gelo coberto de neve branca. O nível de decadência deste programa que se insere na categoria reality tv estava ainda para vir. Como um par de gabarolas numa Queima das Fitas qualquer, falavam da quantidade de horas que têm estado a trabalhar continuamente e preparam-se para mais um mergulho, à noite. O mergulhador entra na água e o companheiro que fica cá em cima na casinhota deixa-se dormir. O cabo de alimentação de oxigénio cola-se a uma formação de gelo e o mergulhador corre risco de vida porque o seu companheiro se tinha deixado dormir. As câmaras filmam o sucedido. Um par de quilómetros à frente, uma das outras equipas tem pouco combustível e não tem mais dinheiro para se manter a trabalhar. Todas as gotinhas de gasóleo juntas enchem o jerrican da esperança. Um mergulho arriscado e que venha de lá essa pepita que vai salvar a temporada. Só que o gasóleo acaba, o gerador desliga-se e o mergulhador fica privado de oxigénio e comunicações durante uns dois minutos, inteiramente filmados e entregues ao espectador. No momento em que se iça finalmente omergulhador, vê-se um operador de câmara. Dois operadores de câmara e provavelmente uma equipa de realização e produção enormes assistem a tudo aquilo. Impassíveis. Porque como cantava a Liza Minelli, “Money makes the world go ‘round” e para o money makar o world go ‘round, o show must go on, como cantaria Freddie Mercury.
Veio-me à memória o polémico retrato de Fabienne Cherisma, a menina haitiana morta a tiro em 2010, cujo cadáver captado em fotografia correu o mundo como bandeira da violência policial após o terramoto que devastou o Haiti. O mundo comoveu-se com o retrato de Paul Hansen, para depois deixar de se comover novamente ao ser revelado o verdadeiro setup, no retrato de Nathan Weber.
Fiquei a pensar novamente que para o entretenimento reality tv uma vida não passa de um conteúdo.

1

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.