Aventais não há muitos…

Perguntam-me muitas vezes onde compro os meus aventais, questão essa que se torna problemática, pronto, porque devo confessar que antes de assumir funções como Rainha da cozinha da casa da Cristina, só usava aventais comprados em antiquários ou herdados de alguém da família. Aventais de tecidos de algodão que parece que ainda não perdeu a goma, bordados, muito coçadinhos, alguns já com buracos, todos poídos. Não vejo problema nenhum em aventais com patine natural, porque valorizo a ideia de ter aventais antigos, da passagem do tempo, das histórias a eles a associados, etc, mas desde que os aventais se tornaram um ponto fulcral das minhas aparições na casa da Cristina que comecei a empreender mais no tema.
Comecei a sentir a pressão do deixa lá ver que avental leva ela hoje? e volto a confessar que, Manas, isto dos aventais é um tema um pouco complexo.
Ora bem, não há mercado de influencer ou blogger, ou lá como é que se chama hoje em dia, que nos valha.
Porque não há.
Quer dizer, há.
Passo a relatar:
Comecei à procura de aventais para comprar em lojas tradicionais, não tradicionais, em antiquários e nos locais onde procuraria habitualmente, mas acontece que o avental é, hoje em dia, o reflexo de como também se vêem as cozinhas, não é…? Os aventais disponíveis para venda por aí são apenas pedaços de trapo, muito sintético, muito feio, com umas aplicações de metal para o tornar ajustável e reforçar a ideia do one size fits all, mas que do ponto de vista do utilizador (estou a utilizar linguagem super smart) é uma desgraça: pesa e está sempre a soltar-se; só lá vai com um nó. E não têm graça.
Depois a ressalva do tecido sintético prende-se com muitas questões. A primeira, relativa à segurança na cozinha: um material sintético tem sempre um aviso na etiqueta, aviso esse onde constam informações género não fumar ou foguear nas redondezas. Depois é só usar a cabeça: na cozinha fogueia-se. E mais não digo. Depois falo também por questões ambientais: um tecido que não tenha fibras misturadas é muito menos poluente e fácil de reciclar e reutilizar do que um tecido que tenha combinações de fibras.
Tirando estas questões, também há a questão das nódoas nos sintéticos… enfim… Depois surge a questão estética: estes aventais de que vos falo são aventais com padrões muito feios, cores muito feias, design muito feio e pouco funcional e comecei a ficar muito triste.

Ainda assim, muito porque sou uma pessoa bastante persistente, lá consegui safar-me à tragédia que assola o mercado dos aventais e fui aos sites das marcas que, a pouco e pouco, começam a ter secções home e a dar atenção a detalhes-zinhos. E dando volta ao que são os retratos das idas a casa da Cristina, é evidente que uso muito este avental. E porque me perguntam sempre muito onde é que compro os aventais, presumo que malta que sente que tem o mesmo problema que eu, aqui fica a dica: é da H&M.

Este amarelo mostarda é da H&M, em linho, 100% linho. Tem um folhinho e comprei-o na loja do Colombo. Na versão portuguesa do site da H&M não o encontro disponível, mas na versão inglesa do site que vos deixo aqui ainda há disponíveis.  

1 comentário a “Aventais não há muitos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *