TAPETE MÁGICO

Então, de tudo aquilo que consigo apanhar – sempre à margem porque a logística agora é muuuuuuuito mais povoada, digamos assim – sei que as Red Carpets são cada vez mais exigentes.
Género circo Romano.
Tenho para mim que as passadeiras só são encarnadas pelo sangue derramado.
Tudo simbólico, mas acho que conta imenso.
Também acho que quem, como a Sienna Miller (a celebridade mais sem sal da História das Celebridades), opta por usar Miu Miu, vai claramente de empregada doméstica. Não é porque a Miu Miu seja uma má marca, é só porque a fasquia está tão alta, que Miu Miu é Zara, ao lado de tanto Atelier Versace, de tanto Dior Haute Couture e de tanto Elie Saab.
Já para não falar nos custom Chanéis Couture ou nos young designers que rebentam com qualquer expectativa!…

Destaco então, por nenhuma ordem especial, Emma Stone – óptima em Lanvin, muito esperta.
Excelente silhueta, óptimos ombros e braços, destaca o que tem de melhor e desafia as leis do tapete mágico ao optar por calças em vez de um vestido comprido, porque se o mote é não mostrar a perna a não ser com as rachas a que a J. Lo nos tem habituado e que a Angelina quis, noutro Carnaval, levar mais longe, então que se vejam calças e tuxedos! Muito bem o cinto-laço-de-pontas-caídas-a-fazer-de-cauda. Cabelo e maquilhagem simples, e BOLSOS!
Scorpios know, e a Emma é scorpio. E um bocado também porque a Emma Stone tem ar de ser uma miúda fiche e isso é mais importante do que qualquer look.emmastone

Passamos para a próxima, Dakota Johnson em Chanel Couture, muito maravilhosa e concordante: Fifty Shades of Grey, Fifty Shades os Silver, está certo, certíssimo. Muito bem a maquilhagem, podia ter o cabelo apanhado que não lhe fazia mal nenhum, mas não tem porque dá ares de ter a cara redondinha e devem ter-lhe dito que isso a ia fazer mais gorda. Ainda assim é das que suporta um risco ao meio e isso é de louvar. Mas nem é por nada, é só porque o cabelo solto dá um ar blasée que ela não tem e pronto, tinha sido um apanhado que ficava mais bonita!… dakota-johnson

Segue-se o meu TOTAL CRUSH: Jemima Kirke, de Rosie Assoulin. É tudo perfeito. Ela é a contemporaneidade na carpete! Dá mil a zero a todas! Por muito que se esforcem, estarão sempre a tentar brincar aos clássicos, e ela não. Por isso é que ganha. Também ganha muito porque está com um smoky eye doentio para o look e para a ocasião, e não um eye liner a puxar para o glamour perdido dos idos anos cinquenta, que nestas alturas o pessoal quer sempre trazer de volta. AMOR TOTAL. golden-globes-red-carpet-2015-062

Se nos anos noventa tivesse havido gente do glamour a brincar ao glamour, teria sido óptimo. Como não houve, tivémos de esperar quinze anos por isto: Michelle Monaghan, de Jason Wu, com o cabelo natural, volumoso e farto, sem estrutura, com brilhantes pouco brilhantes e verniz grená. OH MEU DEUS, que Deusa!
michelle-monaghan-golden-globes-2015

O meu grande beijinho vai para a Lana Del Rey por ter ido vestida de assoalhada da mansão da Jayne Mansfield.  lana

Fico agora à espera dos Oscars, que são muito mais sumarentos e onde as celebrities vão todas a dar tudo sem pestanejar. Isso sim!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *